A mudança de controlo acionista na Groundforce poderá estar por dias, revela o jornal Eco. O Banco Montepio tinha tomado posse das ações da Groundforce nas mãos de Alfredo Casimiro através de uma execução extrajudicial, mas o empresário tinha apresentado uma providência cautelar para travar a decisão do banco.

O banco vai assim tornar-se no maior acionista da empresa de handling, tendo em marcha a venda da participação a um operador europeu.

Contudo, o juízo central cível de Lisboa considerou a providência "improcedente" e autorizou o Montepio a concluir a execução e a vender as ações.

No meio de uma guerra entre a TAP e a Pasogal, a empresa de Alfredo Casimiro que tem o controlo da Groundforce, a sentença do tribunal, comunicada esta segunda-feira, abre uma saída para uma clarificação acionista para uma pacificação das relações com a TAP.

Como o ECO já tinha revelado, o Banco Montepio contratou o Bison Bank para organizar um leilão das ações da Groundforce detidas pelo empresário Alfredo Casimiro que estão penhoradas. O banco de investimento já recebeu propostas não vinculativas pela participação de 50,1% e agora, com esta decisão judicial, o Montepio quer avançar em breve com a venda daquelas ações que dão o controlo da empresa de handling.

Redação