O BPI registou lucros de 104,8 milhões de euros em 2020, uma descida de 68% face aos 327,9 milhões de euros registados em 2019, divulgou hoje o banco.

De acordo com um comunicado emitido esta quinta-feira, o banco registou 151 milhões de euros e imparidades de crédito líquidas, incluindo imparidades não alocadas de 97 milhões para prevenir potenciais impactos da pandemia".

Na conferência de imprensa de apresentação de resultados do banco, o presidente executivo João Pedro Oliveira e Costa disse que a "grande parte" dos resultados é explicada pelas imparidades e também pela descida acentuada dos contributos do BFA de Angola e do BCI de Moçambique.

O BPI tinha 97,5 mil contratos abrangidos pelas moratórias concedidas no âmbito da pandemia de covid-19, correspondentes a 5.620 milhões de euros, no final de 2020, divulgou o banco.

De acordo com o comunicado divulgado pelo BPI relativo à sua apresentação de resultados (lucro de 104,8 milhões de euros), dos 5.620 milhões de euros, 98,2% estão em situação regular.

Do total do valor, dizem respeito a crédito à habitação 2.495 milhões de euros, 333 milhões a crédito pessoal e financiamento automóvel, e 2.792 milhões de euros de crédito a empresas.

No final do terceiro trimestre de 2020, o BPI tinha 108,6 mil contratos de crédito abrangidos pelas moratórias, correspondente a um valor de crédito total de 6.127 milhões de euros.

Relativamente às linhas de crédito, "o BPI recebeu cerca de 8.400 candidaturas às linhas de crédito de apoio público covid-19 correspondentes a 722 milhões de euros", contratado pelo banco ou em análise pelas sociedades de garantia mútua.

De acordo com a instituição liderada por João Pedro Oliveira e Costa, existiam no final do ano 2.909 milhões de euros de linhas de crédito disponíveis para utilização imediata pelas empresas.

/ MJC