O ex-líder do Montepio, Tomás Correia avançou para tribunal contra a Caixa Geral de Aposentações para que a sua pensão seja recalculada para os 23 mil euros.

A notícia foi este domingo avançada pelo Correio da Manhã que sublinha que o banqueiro recebe atualmente uma pensão de 14.300 euros por mês.

Correia considera o aumento legítimo pelo facto de ter integrado o conselho de administração da Caixa Geral de Depósitos e de ter exercido funções no mesmo banco no período entre 1996 e 2003.

Depois de se aposentar, foi fixada uma pensão de 14.300 euros, reduzida em 2011 para os 11 mil euros mensais, devido ao corte nas pensões durante o período da troika. O banqueiro contestou, entretanto, a redução e o valor original foi-lhe restituído.

O ex-líder do Montepio argumenta que o cargo que ocupou em 2016 sofreu uma alteração de designação e de salário - de vogal passou a vogal-executivo e teve um aumento de quase seis mil euros.

Tomás Correia reitera ainda que os juros que recebeu quando voltou a receber o valor original da pensão foram mal calculados pela Caixa Geral de Aposentações.

/ HCL