O Banco de Portugal acaba de multar a KPMG em três milhões de euros. Numa nota no site da instituição, na área de processos de contraordenação, pode ler-se que:

Atenta à circunstância de ter praticado, em curso efetivo, várias contraordenações, a KPMG PORTUGAL, foi condenada, em cúmulo jurídico, numa coima única no valor de três milhões", diz o processo nº: 100/14/CO

Trocando por miúdos, em causa, o facto de a sociedade de revisores oficiais de contas ter prestado "informação incompleta" e, mais grave "informação falsa" à instituição liderada por Carlos Costa. Segundo o Expresso, os factos remontam a 2014 e a informação é relativas ao Banco Espírito Santo.

No mesmo processo de contraordenação o Banco de Portugal condena ainda dois responsáveis da KPMG ao pagamento de 825 mil euros no total. Inês Viegas por prestação de informação "incompleta" e "falsa" e Fernando Nunes por prestação de informação "falsa."

Todos os arguidos já impugnaram a decisão junto do Tribunal da Concorrência, Regulação e Supervisão.