A Boeing anunciou esta segiunda-feira que prevê que os voos comerciais com aviões 737 MAX, retirados de circulação desde meados de março após dois acidentes que fizeram 346 mortos, recomecem a operar no início do próximo ano e não em dezembro.

Segundo um comunicado, o grupo espera ainda receber 'luz verde' da agência norte-americana de regulação da aviação (FAA) para uso do aparelho em dezembro e espera retomar a entrega de aeronaves aos clientes antes do final do ano. Prevê também que a atualização da formação para os 737 MAX, que deve obrigatoriamente preceder o recomeço dos voos, seja validada em janeiro.

As companhias aéreas norte-americanas Southwest e American Airlines anunciaram na sexta-feira que adiaram para março a data de um possível regresso ao serviço dos seus aviões Boeing 737 MAX.

Há um ano um acidente com um avião 737 Max 8 da companhia aérea indonésia Lion Air provocou 189 mortos. Cinco meses depois, um avião do mesmo modelo da Ethiopian Airlines caiu em circunstâncias semelhantes, causando a morte de 157 pessoas.

Desde então, todos os Boeing 737 MAX 8 foram retirados de circulação a nível mundial. Uma investigação indonésia concluiu que a queda do voo da Lion Air se deveu a uma combinação de falhas no projeto do aparelho, na formação dos pilotos e na manutenção.

A crise com o modelo de aparelho 737 MAX é uma das mais graves da história da Boeing e já levou a perdas de largos milhões de dólares, a várias investigações da autoridades norte-americanas e a muitas queixas de familiares das vítimas.