O vice-presidente executivo da Comissão Europeia Valdis Dombrovskis considera que Portugal “pode agora ter esperança de o pior já ter passado” relativamente à recessão económica gerada pela pandemia, apesar das previsões mais pessimistas do executivo comunitário.

Depois de mais de um ano de sofrimento económico, Portugal pode agora ter esperança de o pior já ter passado”, declara Valdis Dombrovskis, numa reação à agência Lusa sobre as previsões económicas de primavera da Comissão Europeia, hoje divulgadas.

Notando que “à medida que as medidas de contenção vão sendo gradualmente relaxadas”, o responsável na instituição pela pasta de “Uma economia ao serviço das pessoas” observa que isso permitirá que a economia portuguesa “volte a crescer a partir do segundo trimestre”.

Esperamos uma expansão do PIB [Produto Interno Bruto de Portugal] de 3,9% em 2021 e novamente de 5,1% em 2022, contra as projeções da UE [União Europeia] de 4,2% e 4,4%, respetivamente”, assinala Valdis Dombrovskis nesta declaração à Lusa.

O vice-presidente executivo adianta que “a recuperação económica de Portugal será ajudada em grande parte pelo Mecanismo de Recuperação e Resiliência para financiar as reformas e investimentos necessários”.

A Comissão Europeia reviu hoje em baixa o crescimento económico esperado para Portugal este ano, apontando agora para 3,9%, quando em fevereiro esperava 4,1%.

As previsões de um crescimento de 3,9% hoje anunciadas pela Comissão Europeia estão exatamente alinhadas com as do Banco de Portugal (BdP) e as do Fundo Monetário Internacional (FMI), estando uma décima abaixo dos 4,0% esperados pelo Governo e acima dos 3,3% do Conselho das Finanças Públicas (CFP) e dos 1,7% da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE).

A economia portuguesa irá crescer novamente a partir do segundo trimestre de 2021, à medida que as medidas para conter a pandemia de covid-19 são gradualmente relaxadas", pode ler-se no texto sobre Portugal nas 200 páginas das previsões económicas de primavera conhecidas hoje.

Bruxelas antecipa ainda que o PIB português deverá chegar ao seu nível pré-crise "a meio de 2022" (ano em que a Comissão Europeia espera um crescimento de 5,1%), algo ajudado pelo Mecanismo de Recuperação e Resiliência (MRR).

A projeção tem em conta um forte crescimento do investimento, ajudado pelo desenvolvimento do MRR. Assume-se que a recuperação no turismo ganhará velocidade no terceiro trimestre de 2021, mas não se espera que o setor tenha atingido o seu nível pré-pandemia no final do horizonte de projeções", ou seja, em 2022.

Portugal foi o primeiro Estado-membro da UE a entregar a versão final do Plano de Recuperação e Resiliência à Comissão Europeia, prevendo um total de 16,6 mil milhões de euros, dos quais 13,9 mil milhões de euros dizem respeito a subvenções a fundo perdido.

. / LF