Armando Vara vai mesmo ser ouvido na comissão parlamentar de inquérito da Caixa Geral de Depósitos, no âmbito da compra do BCP, na próxima sexta-feira, 14 de junho.

O ex-administrador do banco público, que está preso em Évora, fez um pedido especial aos deputados para não comparecer, invocando "a situação em que se encontra" e a falta de acesso a informação.

Contudo, o grupo de deputados recusou o pedido.

O presidente da comissão parlamentar lembrou que, na qualidade de arguido, o ex-gestor poderá invocar o segredo de justiça e remeter-se ao silêncio.

Armando Vara - que se encontra detido desde janeiro deste ano após condenação no processo Face Oculta - foi nomeado administrador da Caixa Geral de Depósitos em 2006, para a equipa presidida por Carlos Santos Ferreira, tendo ambos depois transitado para o BCP em 2008.

O também ex-ministro Adjunto e da Juventude e Desporto do segundo governo de António Guterres é ainda um dos 28 arguidos da Operação Marquês.

Dos arguidos deste processo, foram já ouvidos na comissão parlamentar de inquérito à CGD Joaquim Barroca e Diogo Gaspar Ferreira.

Em 29 de maio foi dado a conhecer que o ex-primeiro-ministro José Sócrates, também arguido na Operação Marquês, responderá por escrito às questões dos deputados da comissão.