A Comissão Europeia diz que a demissão de António Domingues não põe em causa o plano para recapitalizar da Caixa Geral de Depósitos e espera que as autoridades portuguesas apresentem uma nova equipa de gestão. Mas Bruxelas exige que o Governo e a nova equipa de gestão da Caixa sigam o que foi acordado.

"Não podemos comentar as personalidades mas no que diz respeito à substância do nosso acordo de princípio diria que se mantém válido e, claro, é importante que as autoridades portuguesas e a nova gestão da Caixa Geral de Depósitos sigam o acordado", disse o vice-presidente Comissão Europeia, Valdis Dombrovski.

"O acordo já foi dado em agosto e a Comissão vai continuar a trabalhar com essa base que, claro, inclui também a análise da dívida do banco, o retorno adequado das ações, questões de governança. Todos esses temas vão manter-se na nossa agenda", acrescentou o responsável.

As declarações do responsável da Comissão surgem no mesmo dia em que António Costa assegurou que o plano de recapitalização da Caixa é para cumprir, independentemente da administração que exista no banco público.

O primeiro-ministro foi, no entanto, cauteloso, no que toca ao nome para substituir António Domingues, mas assegurou que, ainda esta semana, os mecanismos europeus serão informados do novo nome e respetiva equipa para liderar o banco e pôr em marcha o plano, que Domingues conhece mas não irá empreender, devido à sua passagem rápida pelo banco.