O presidente da CGD considerou hoje que há a expectativa de o banco público ficar "sossegado, quieto", mas que a sua equipa não é paga para "ficar a ver navios" e quer pagar o capital injetado pelo Estado.

Toda a gente tem a expectativa de que a Caixa [Geral de Depósitos] esteja sossegada, quieta, ir na onda e não resistir", disse Paulo Macedo na Money Conference, em Lisboa, acrescentado que, perante a expectativa que já tinha de perguntas relacionada com os encargos cobrados pela CGD, decidiu trazer à conferência uma história de Mário Henrique Leiria de modo a explicar o que o banco público não será, uma "nêspera".

 

Uma nêspera estava na cama/deitada/muito calada/a ver/o que acontecia/chegou a Velha/e disse/olha uma nêspera/e zás comeu-a/é o que acontece/às nêsperas/que ficam deitadas/caladas/a esperar/o que acontece'. A Caixa não será uma nêspera", afirmou, perante as gargalhadas da plateia. O presidente da instituição citava Mário Henrique Leiria em "Novos contos do gin tonic" de 1974.

Segundo Macedo, a CGD quer "remunerar e devolver o dinheiro aos contribuintes", que injetaram dinheiro no banco público para o recapitalizar, e a "Caixa não tem gestores pagos para ver navios".