O Presidente da República já tinha dito, na semana passada, que queria saber melhor o que se passa com o balcão da Caixa Geral de Depósitos, em Almeida, na Guarda, uma das 61 agências que o banco público decidiu fechar. Marcelo Rebelo de Sousa acabou por receber, esta terça-feira, os presidentes executivo e do conselho de administração da CGD.

Em cima da mesa esteve o encerramento do balcão e a solução encontrada para responder aos apelos da população.

A informação foi avançada pela presidência, numa nota em que dá conta de que Marcelo Rebelo de Sousa recebeu os presidentes do Conselho de Administração e da Comissão Executiva da Caixa Geral de Depósitos (CGD), Rui Vilar e Paulo Macedo.

Deram conhecimento do acordo ajustado, no passado mês de abril, entre aquela instituição e o Presidente da Câmara Municipal de Almeida”.

O Presidente da República diz que “tomou conhecimento destas informações” e que a 16 de maio vai receber o presidente da Câmara Municipal de Almeida, António Baptista Ribeiro.

Na sequência da polémica do fecho da agência do banco público na sede do concelho de Almeida, o que motivou manifestações da população e dos autarcas locais, a CGD disponibilizou-se para instalar uma área automática na sede da Câmara de Almeida, com o apoio temporário de trabalhadores do banco.

Com o fecho deste balcão, os habitantes têm de se deslocar a Vilar Formoso, que dista cerca de 15 quilómetros da sede de concelho.

Deputado do PS sugere fechar balcão do Parlamento

O deputado socialista Santinho Pacheco, eleito pelo círculo eleitoral da Guarda, sugeriu entretanto que a Caixa Geral de Depósitos encerre o balcão na Assembleia da República e mantenha o de Almeida em funcionamento, porque “faz bem mais falta”.

Numa carta aberta dirigida ao presidente do Conselho de Administração do banco, Paulo Macedo, a que a Lusa teve acesso, o deputado do PS aponta que o banco público tem o no Parlamento um balcão "sem concorrência de ninguém".

Pois então senhor dr. Paulo Macedo: é preciso poupar e reduzir agências e balcões? Então o exemplo que venha de cima. Comece por encerrar o balcão da Assembleia da República, no Palácio de São Bento, para compensar manter aberto o balcão de Almeida, que faz bem mais falta aos seus clientes".

Santinho Pacheco diz que faz esta sugestão "legitimamente", como deputado eleito pelo distrito da Guarda e defende que "toda a gente deveria apoiar" "Almeida merece respeito!", escreve ainda.