"A subconcessão foi parada. Quer nesses dois casos quer nos casos dos transportes de Lisboa [Carris e Metro de Lisboa], estamos a falar de quatro serviços que são diferentes, o que significa que o modelo que vai ser feito daqui para a frente pode ter soluções diferenciadas", referiu o secretário de Estado.