O presidente da câmara municipal de Lisboa, Fernando Medina, rejeitou hoje que seja o turismo o responsável pelo problema da habitação e defendeu uma redução dos impostos sobre os rendimentos prediais para aumentar a oferta de alojamento.

Não é o turismo que está a criar o problema da habitação e, por isso, o problema não se resolve com limitação do turismo. Resolve-se sim com o aumento da oferta. A única proposta que tem o condão de aumentar a oferta é baixar os impostos sobre os rendimentos prediais”, disse o autarca na abertura da IV Cimeira do Turismo Português, que se realiza hoje em Lisboa, em que participou também o primeiro-ministro António Costa.

 

É um erro pensarmos que vamos abdicar do crescimento do turismo para a nossa economia, mas também é um erro pensar que uma cidade que cresce como Lisboa cresce não tem de cuidar do equilíbrio”, insistiu.

O autarca lembrou que o próximo ano será marcado pelo arranque da nova lei do alojamento local e disse acreditar que esta vai “resolver o reequilíbrio da cidade”, uma vez que permitirá a cada freguesia usar as ferramentas disponíveis para limitar ou promover o alojamento local.

O que nos move não é nenhum sentimento de limitação. Alfama não é bitola para o resto do mundo. Alfama tem de ser protegida, mas também não pode impedir o desenvolvimento do alojamento local no resto da cidade”, disse.

Acerca da sobrelotação do Aeroporto da Portela, referida anteriormente pelo presidente da Confederação do Turismo Português (CTP), Medina lembrou que “este não é um problema de Lisboa, é da região e do país”.

“É tempo de pensarmos em conjunto”, disse ainda o autarca, referindo que Portugal tem apenas duas saídas: “ou não investimos, não aumentamos capacidade e perdemos oportunidades, ou fazemos o inverso, investimos e chegamos a um novo patamar”.