Entre 2014 e 2016, a Câmara Municipal de Almada terá gasto ilegalmente mais de um milhão e meio de euros. A denuncia é da Inspecção Geral de Finanças que analisou as contas num período em que a autarquia ainda estava nas mãos da CDU e o comunista Joaquim Judas era presidente da Câmara.

De acordo com o jornal Público, entre as irregularidades encontradas, haverá indicios de infracções de natureza penal e financeira, o que levará a que o relatório seja entregue às autoridades judiciais.

Para chegar ao milhão e 600 mil euros de despesas ilegais, a IGF analisou uma amostra de contratos. Entre eles, o da compra de relógios e telemóveis, no valor de 163 mil euros, para oferecer aos funcionários com mais de 25 anos de casa. Uma compra que a IGF declara não ter respeitado os princípios do interesse público.

/ HMC