O economista João César das Neves defendeu esta segunda-feira a necessidade de se olhar para o quadro fiscal das empresas produtivas portuguesas, pois se não houver «um equilíbrio» pode-se vir a comprometer a sua competitividade.

«Está-se a centrar [o debate] num aspecto, o da redução da Taxa Social Única (TSU), mas é muito importante que se olhe para o quadro fiscal que temos sobre as empresas produtivas portuguesas para que não haja a destruição da competitividade», disse à agência Lusa o economista, em Lisboa.

César das Neves, professor na Universidade Católica, falava à margem do Encontro Nacional Associação Portuguesa de Leasing, Factoring e Renting (ALF) que tem por tema «Pessoas Audazes, Organizações Arrojadas» e que hoje se realiza no auditório da Fundação Champalimaud.

O economista, que falou dos «Últimos 25 anos da Economia Portuguesa: Políticas Públicas e Consequências», garantiu que a desvalorização fiscal «é uma solução que ajuda [a produtividade e a competitividade], mas não é a solução ideal», pois implica ter «muito cuidado» com o equilíbrio geral.