Na véspera do 1º de maio, a CGTP deixa no ar a ameaça de uma greve geral.  Arménio Carlos diz que é tempo do Governo passar das palavras aos actos e virar à esquerda. De um lado as promessas do governo, de outro o Plano Nacional de Reformas e o Programa de Estabilidade. 

Para a CGTP não bate a bota com a perdigota e o executivo  está a chegar a uma bifurcação. E se não vira à esquerda pode ter uma greve geral na próxima esquina.

Em entrevista à TSF e Diário de Notícias, o secretário geral da CGTP diz que é preciso passar da teoria à prática. Ou seja, faz um aviso ao Governo.

Quanto aos patrões que se mostraram favoráveis à tolerância de ponto no próximo dia 12 de maio, aquando da visita do papa a Fátima, Arménio Carlos deixa o desafio de fazerem o mesmo.

Uma entrevista com recados, que exige mais clareza nas políticas laborais e que o Governo deixe de empurrar com a barriga os problemas do país.
 

/ PP