O gigante imobiliário da China Evergrande suspendeu esta segunda-feira o comércio na bolsa de Hong Kong, sem explicar quais os motivos desta decisão.

O preço das ações da empresa caiu cerca de 80% desde o início do ano. Estrangulado por uma dívida de 260 mil milhões de euros, o grupo privado tem vindo a lutar há várias semanas para cumprir os pagamentos.

A negociação das ações do Grupo Evergrande na China será interrompida", disse a empresa à bolsa de valores. "Como resultado, o comércio de todos os produtos estruturados relacionados com a empresa será interrompido ao mesmo tempo".

O colosso chinês permanece à beira do colapso e a sua potencial falência pode abalar o setor imobiliário chinês e mesmo a economia nacional e global.

As ações da sua subsidiária de veículos elétricos, que na semana passada se afastaram de uma proposta de cotação em Xangai, não foram suspensas, embora tenham caído 6% no início da negociação.

Evergrande já começou a desinvestir alguns bens. Na semana passada, o grupo anunciou que iria vender uma participação de 1,5 mil milhões de dólares (1,3 mil milhões de euros) num banco regional para angariar o capital necessário.

Confrontado com o risco de agitação social se o Evergrande falhar, o Governo chinês ainda não indicou se irá intervir para ajudar ou reestruturar o gigante imobiliário.

As autoridades pediram aos Governos locais para se prepararem para o potencial colapso de Evergrande, sugerindo que é improvável um grande salvamento estatal.

O grupo admitiu que enfrenta "desafios sem precedentes" e advertiu que poderá não ser capaz de cumprir os seus compromissos.

Agência Lusa / HCL