Há cada vez mais postos sem combustíveis um pouco por todo o país. Se ontem as filas já eram longas e se assistiu a uma verdadeira corrida a encher o depósito, esta quarta-feira há lugares onde já nem sequer é possível abastecer. 

Os repórteres da TVI, logo ao início da manhã, constataram falta de combustível evidente em Vila Real - onde há vários postos sem gasóleo e/ou gasolina - e em Coimbra, num dos únicos postos ainda abertos.

Em Lisboa, há também longas filas de espera e muitas bombas onde já não há gasóleo, só gasolina.

Em Viana do Castelo, já teve de se optar, por exemplo, por reduzir a frequência da recolha de lixo devido à falta de combustível para abastecimento da frota automóvel.

"Assim, transportes públicos vão parar antes da Páscoa"

O presidente da ANTROP, a associação dos transportes de pesados de passageiros deixou o alerta de que se está "a gastar o gasóleio que em stock" e dentro de pouco tempo haverá rutura, se a situação não se alterar.

Luís Cabaço Martins antecipa, até, que "antes da Páscoa, com certeza que os transportes públicos vão parar".

A associação dos revendedores (ANAREC) diz que "há mais de duas centenas de postos já inativos", sem qualquer combustível. A contabilização ainda não foi totalmente feita, mas a situação de caos no abastecimento "agravou-se muito" ontem e continua a piorar. 

Veja também:

Imprevistos em Faro 

Na estação ferroviária de Loulé, uma grua avariou, o que está a atrasar o transporte de combustível para o aeroporto de Faro. Havia ali 1 milhão de litros de combustível retido desde segunda-feira por causa desta greve. Desde que a requisição civil foi decretada pelo Governo, a situação tem sido desbloqueada, mas hoje surgiu este imprevisto.

Já no centro logístico de Aveiras de Cima, onde os camiões vão abastecer, para depois distribuírem combustível pelo país, a GNR continua de prevenção para evitar tensões como as de ontem e garantir a segurança desse abastecimento. A TVI constatou, no local, que os grevistas - os motoristas de matérias perigosas - ali se mantêm "rijos como o aço", como sublinhou um deles. 

Taxistas queixam-se de "grandes transtornos"

Para além dos condutores comuns, também os taxistas se estão a queixar. Ao telefone com o Diário da Manhã da TVI, Florêncio Almeida, presidente da ANTRAL, disse que a falta de combustível está "a causar grandes transtornos".

Se greve continuar vai complicar-se. Tenho já conhecimento de que alguns táxis estão a ter muita dificuldade e horas de espera para abastecer".

Florêncio Almeida disse, inclusive, que passou por um posto onde estavam "mais de 200 carros" à espera para abastecer.

O responsável da ANTRAL diz que a greve é um direito, mas que "compete ao Governo" garantir o abastecimento aos setores prioritários, como bombeiros, aeroportos, hospitais e, disse, taxistas: "somos um serviço público".

Porém, os taxistas não estão contemplados nos serviços mínimos. Em teoria, podem aceder aos 40% de postos de abastecimento que vão ser reabastecidos em áreas urbanas.

Entretanto, a Federação Portuguesa do Táxi pediu uma audiência urgente ao Governo.

Veja também:

Sem acordo, mas com promessa de cumprimento de serviços mínmos

Ontem, a reunião entre Governo, sindicato e ANTRAM terminou sem acordo, mas com promessa de cumprimento de serviços mínimos.

Ontem, os ministros da Administração Interna e do Ambiente e da Transição Energética declararam a “situação de alerta” devido à greve nacional, implementando medidas excecionais para garantir os abastecimentos.

O Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) apelou aos cidadãos para que deem prioridade aos veículos de emergência médica nos postos de abastecimento, explicando que todas as viaturas foram atestadas de manhã.

Veja também: