As exportações portuguesas registaram em fevereiro uma subida homóloga nominal de 4,6% e as importações abrandaram, tendo crescido 12,8%, de acordo com as estatísticas do comércio internacional hoje divulgadas pelo INE.

Em fevereiro, "as exportações de bens registaram uma variação homóloga nominal de 4,6%, correspondendo a uma aceleração face ao mês anterior (3,8% em janeiro)", refere o Instituto Nacional de Estatística (INE).

Esta aceleração deveu-se, sobretudo, "ao aumento no comércio intra-UE (4,4%)", explica.

Já as importações, "aumentaram 12,8%, desacelerando face ao mês anterior (15,9% em janeiro)", como "resultado da evolução registada no comércio Intra-UE (11,1%) e, embora com menor impacto, também no Extra-UE (18,6%)", acrescenta o instituto.

Excluindo os combustíveis e lubrificantes, as exportações subiram 7,3% e as importações cresceram 13,3%, contra, respetivamente, 4,4% e 18,3%, em janeiro deste ano.

O défice da balança comercial de bens totalizou 1.504 milhões de euros em fevereiro de 2019, mais 504 milhões de euros que no mês homólogo de 2018", refere o INE, que aponta que, excluindo os combustíveis e lubrificantes, "a balança comercial atingiu um saldo negativo de 996 milhões de euros, correspondente a um aumento do défice de 345 milhões de euros em relação a fevereiro" do ano passado.

As exportações de bens subiram 5,2% no trimestre terminado em fevereiro e as importações cresceram 11,9%.

Relativamente às variações face ao mês anterior, "em fevereiro as exportações diminuíram 2,7%, em resultado da diminuição no comércio Intra-UE e as importações decresceram 8,7% como resultado da evolução de ambos os tipos de comércio (+13,6% e +16,8%, respetivamente, em janeiro de 2019), o que poderá estar em parte relacionado com o facto de fevereiro" deste ano "ter menos dois dias úteis do que" o mês anterior.