A tecnológica norte-americana Apple pagou este ano à Irlanda 14.300 milhões de euros devido a alegados benefícios fiscais considerados ilícitos pela Comissão Europeia, indicou esta terça-feira o Ministério das Finanças irlandês.

A empresa norte-americana pagou no segundo e no terceiro trimestres 13.100 milhões de euros que Bruxelas considerou, em 2016, que tinha poupado com esses benefícios e mais 1.200 milhões de euros em juros, informou em comunicado o ministro das Finanças irlandês, Paschal Donohoe.

Donohoe sublinhou que Dublin continua sem aceitar a decisão da Comissão e recorreu aos tribunais europeus, mas considerou que a "recuperação total" da dívida da Apple "mostra que a intenção do Governo é sempre cumprir as suas obrigações legais".

Como membros empenhados da União Europeia sempre confirmámos que recuperaríamos as alegadas ajudas estatais", disse o ministro.

O Governo irlandês depositou os fundos numa conta administrada por um fundo fiduciário à espera de uma decisão judicial sobre o contencioso, com o fim de "proteger os interesses de todas as partes".