A Comissão Europeia atualiza esta quarta-feira as suas previsões económicas para a União Europeia, com a pandemia da covid-19 ainda presente, mas com os primeiros fundos do pacote de recuperação prestes a chegar aos Estados-membros.

O executivo comunitário publica esta quarta-feira as previsões intercalares de verão – que abrangem apenas projeções para a evolução do Produto Interno Bruto (PIB) e inflação -, numa altura em que a Europa procura recuperar alguma ‘normalidade’, aliviando restrições face à progressão da campanha de vacinação, mas com a estirpe Delta do coronavírus SARS COV-2 a suscitar inquietações, já em plena época turística.

Se, por um lado, as variantes da covid-19 representam um risco negativo para a recuperação da economia europeia, por outro, estas previsões são animadas pela perspetiva de os primeiros desembolsos do fundo de recuperação acordado há cerca de um ano pelos líderes europeus para superar a crise provocada pela pandemia estarem prestes a chegar ao terreno.

Na próxima semana, o Conselho Ecofin deverá aprovar um primeiro pacote de 12 planos de recuperação e resiliência (PRR), entre os quais o de Portugal, o que permitirá o desembolso, possivelmente ainda este mês, de 13% dos montantes de fundos a que cada Estado-membro tem direito, e até ao final de julho deverá celebrar-se nova reunião para a adoção de mais planos.

A chegada dos primeiros fundos do Mecanismo de Recuperação e Resiliência deverá refletir-se nas previsões hoje publicadas pelo executivo comunitário, que, nas anteriores, as da primavera – publicadas em 12 de maio – já revira em alta o ritmo da recuperação da economia europeia, estimando para este ano um crescimento de 4,3% na zona euro e de 4,2% na União (no inverno antecipava subidas de 3,8% e 3,7%, respetivamente), e de 4,4% em ambas em 2022.

Já relativamente a Portugal, nas previsões divulgadas há menos de dois meses, a Comissão reviu em baixa o crescimento económico esperado para este ano, apontando para 3,9%, quando em fevereiro estimava 4,1%.

O Governo português mantém oficialmente a previsão de um crescimento do PIB de 4% este ano, embora, em entrevista à Lusa, no final de maio, o ministro das Finanças, João Leão, tenha admitido a expectativa de que a economia portuguesa cresça até 1 ponto percentual acima deste valor – ou seja, até aos 5% -, mas isto antes de a situação pandémica ter voltado a agravar-se em Portugal.

As previsões económicas de verão da Comissão Europeia serão apresentadas pelo comissário da Economia, Paolo Gentiloni, numa conferência de imprensa em Bruxelas, às 11:00 locais (10:00 de Lisboa).

/ CE