A companhia aérea irlandesa de baixo custo Ryanair obteve um lucro líquido de 1.002 milhões de euros no último ano fiscal, que terminou em março, 13,2% mais que no ano anterior.

Segundo anunciou esta segunda-feira a companhia com sede em Dublin, também aumentou a receita em 10% até 31 de março, faturando um total de 7.690 milhões de euros, apesar de a pandemia de coronavírus ter mantido mais de 99% da sua frota em terra desde meados de março.

A Ryanair tinha alertado que poderia cortar até 3.000 empregos, principalmente pilotos e pessoal de cabine, nos próximos dois anos devido à queda na procura por causa da crise provocada pela pandemia de Covid-19.

Neste cenário, a companhia aérea já anunciou no mês passado que esperava obter um lucro líquido entre 950 e 1.000 milhões de euros durante o ano fiscal de 2019/2020, em linha com suas previsões mais modestas.

No entanto, dada a incerteza em torno do setor devido ao coronavírus, a Ryanair disse que é "impossível" fazer uma previsão de resultados para o ano fiscal seguinte, embora comece a operar até 40% de seu programa de voos habitual a partir do próximo dia 1 de julho.

A principal companhia aérea europeia no setor de baixo custo é clara: registará perdas de 200 milhões de euros nos três meses até o final de junho próximo, além de uma queda no tráfego de passageiros.

A Ryanair transportou 148,6 milhões de passageiros durante o ano fiscal, uma subida de 4%, embora agora calcule que o número de clientes cairá cerca de 20% este ano e que não regressará aos níveis de 2019 até o verão de 2022.

O objetivo da companhia aérea para o próximo ano fiscal será transportar cerca de 80 milhões de passageiros, em comparação com os 100 milhões anuais admitidos na semana passada e os 154 milhões previstos antes da pandemia.

/ AG