A TAP registou, nos primeiros nove meses deste ano, prejuízos acumulados de 111 milhões de euros, que atribui a “variações cambiais sem impacto na tesouraria”, de acordo com um comunicado divulgado esta segunda-feira.

“A TAP S.A. apurou um prejuízo acumulado, nos primeiros nove meses do ano, de 111 milhões essencialmente devido a variações cambiais sem impacto na tesouraria. Excluindo esta variação cambial, o lucro líquido consolidado do grupo TAP, no terceiro trimestre de 2019, foi de 61 milhões de euros positivos, compensando em mais 50% o prejuízo gerado no primeiro semestre de 2019”, avançou a companhia.

A empresa registou quase 120 milhões de euros em prejuízos, nos primeiros seis meses do ano. O grupo liderado por Antonoaldo Neves angariou receitas consolidadas no terceiro trimestre de 2019, que ascenderam a 1.052 milhões de euros, “equivalente a um aumento de 6,1% face a igual período do ano anterior, suportado pelo crescimento do mercado norte-americano e pela recuperação do Brasil”, de acordo com a mesma nota.

A TAP adiantou ainda que o número de passageiros transportados subiu 11,1% no terceiro trimestre, “reforçando a tendência de recuperação” da companhia aérea.

A companhia aérea planeia “contratar mais de 800 novos colaboradores no próximo ano, dos quais mais de 100 são pilotos e cerca de 600 serão assistentes de bordo, para fazer face ao crescimento da TAP”. De acordo com o grupo, desde a privatização a TAP já contratou mais de três mil colaboradores em Portugal.