Os portugueses reclamaram menos dos serviços de comunicações no primeiro semestre do ano. Cerca de 43 mil reclamações, menos 11% do que no período homólogo, em que se tinha observado um aumento de cerca de 25%, diz o regulador das comunicações em comunicado.

Já no que toca às comunicações eletrónicas atingiram as 32 mil, menos 13%, mas com a MEO a liderar com 37% do total de reclamações, seguida da NOS com 34%, da Vodafone com 25% e da NOWO/ONI com 4%.

Segundo a Anacom " MEO foi o único prestador relativamente ao qual o volume de reclamações diminuiu (-32%) face ao semestre homólogo, no qual esse operador tinha registado um aumento de 105%."

"A faturação de serviços foi o assunto mais reclamado no sector das comunicações eletrónicas, sendo referido em 31% das reclamações", diz o regulador, acrescentado que se trata, igualmente, do assunto mais referido nas reclamações contra os quatro operadores mais reclamados, tendo sido registado em 33% das reclamações contra a MEO, 28% contra a NOS, 30% contra a Vodafone (assunto mais reclamado, a par da contratação de serviços) e 38% das reclamações contra a NOWO/ONI.

A entidade que regula o setor recorda que "estes números agregam as reclamações registadas no livro de reclamações, físico e eletrónico, bem como as que foram enviadas diretamente à Anacom. Não abrangem as situações em que os utilizadores, por opção própria ou por recomendação dos operadores, tenham estabelecido um contacto através de email, de carta, do call center ou presencialmente."

Reclamações no sector postal caem para 10,7 mil

O sector postal foi objeto de 10,7 mil reclamações, 86% das quais visaram os CTT, o que corresponde a 9,2 mil reclamações.

As reclamações dos CTT registaram uma redução de 12% face ao semestre homólogo, no qual esse operador tinha registado um aumento de 88%. A CHRONOPOST foi o segundo operador postal mais reclamado, com 7% das reclamações do sector.

As reclamações sobre serviços postais estavam relacionadas sobretudo com a entrega de objetos postais no domicílio (24% das reclamações) e com o atraso na entrega de objetos postais (24%)", diz a Anacom

Por último releva-se que o livro de reclamações físico foi utilizado em 48% do total de reclamações, seguido do livro de reclamações eletrónico ‒ único meio cuja utilização aumentou (5%) ‒, que representa 44% das reclamações recebidas. Os meios que a ANACOM disponibiliza para a presentação de reclamações foram utilizados em apenas 7% do total de reclamações registadas.