O ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, assegurou no parlamento que a renegociação do contrato de concessão dos CTT tem que garantir a reposição de um posto por cada concelho.

Os CTT são uma empresa privatizada. Foi uma privatização mal feita, que não acautelou o interesse nacional e isso não pode significar que o Estado não tenha uma relação firme com a empresa”, notou Pedro Nuno Santos numa audição parlamentar na Comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas.

De acordo com o governante, a concessão dos correios tem assim que ser renegociada “até ao final do próximo ano”, sendo um “ponto de honra” para o Governo que todos os municípios que perderam o posto dos CTT, passem novamente a tê-lo.

Nós não aceitaremos, não permitiremos, uma renegociação do contrato de concessão que não passe pela abertura de uma estação por cada um dos concelhos de território nacional”, reiterou.

Os CTT estão totalmente privatizados desde setembro de 2014, com concessão do serviço postal universal até dezembro de 2020.