Os direitos dos trabalhadores têm de ser defendidos durante a pandemia da Covid-19, assinalou, neste domingo, a Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses (CGTP), realçando a importância das datas do 25 de Abril e do 1.º de Maio.

Os trabalhadores e a CGTP-IN não se deixam calar e não se vão calar", lê-se no comunicado da central sindical, que aponta para a crise no mercado laboral causada pelo novo coronavírus.

Atualmente, "estão ameaçados muitos milhares de postos de trabalho e há mais de 350 mil desempregados", sublinhou a CGTP, acrescentando que "um milhão de trabalhadores está em lay-off com perda de um terço da sua retribuição", e que "mais de 300 mil estão noutras situações de enorme perda de remunerações e muitos milhares com salários em atraso".

Segundo a CGTP, por causa da situação provocada pela pandemia, "os direitos são atropelados pelas empresas com despedimentos ilegais, com a precariedade, com a imposição de ritmos de trabalho brutais e sem respeito pela organização dos horários de trabalho e descansos semanais".

Dado o atual estado de emergência em Portugal, a CGTP, tal como anunciou em 14 de abril, não vai "realizar as manifestações, concentrações e desfiles, mas quer assinalar as datas do 25 de Abril e do 1.º de Maio.

Está em curso uma campanha, levada a cabo por quem ainda não desistiu de acertar contas com o 25 de Abril e as suas conquistas e valores, com que se pretende impedir as comemorações da revolução que devolveu aos trabalhadores e ao povo português a liberdade, a democracia e um vasto conjunto de valores e de direitos que continuamos a defender e a exigir que sejam cumpridos na sua totalidade", afirmou a central sindical.

A CGTP frisou que, na "situação provocada pelo surto epidémico que veio alterar" as vidas dos portugueses, e em que "são fundamentais medidas de proteção da vida e da saúde, é também imprescindível que sejam garantidos os direitos e interesses dos trabalhadores".

Não aceitamos que se tente impedir a sessão comemorativa do 25 de Abril na Assembleia da República, sob falsos pretextos, e no dia 25 de Abril às 15:00 cantaremos a Grândola e o hino nacional", indicou.

De acordo com a central sindical liderada por Isabel Camarinha, "esta campanha está a tentar também que no 1.º de Maio os trabalhadores não possam expressar a sua indignação face à situação que estão a viver, de brutal ataque ao emprego, aos salários, aos direitos consagrados na lei e na contratação coletiva".

Por isso, a central sindical vai assinalar o 1.º de Maio, Dia do Trabalhador, na rua, mas "garantindo a proteção e o distanciamento sanitário", e sem a "participação de centenas de milhares de trabalhadores e de reformados que estarão solidários a partir das suas residências".

Portugal, que cumpre o terceiro período do estado de emergência devido à pandemia, regista 714 mortos e 20.206 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim diário da Direção-Geral da Saúde.

. / CM