A Comissão Europeia defendeu esta quarta-feira a necessidade de a União Europeia adoptar novas medidas de apoio à indústria automóvel, face à actual crise financeira e económica, sublinhando que 12 milhões de postos de trabalho dependem deste sector.

Produção de veículos regista queda recorde

De acordo com a Lusa, numa comunicação adoptada neste dia, o executivo comunitário defende uma «atitude pró-activa» de apoio à indústria nos seus esforços para resistir à crise, minimizar os seus impactos negativos e assegurar a competitividade a longo prazo de um sector considerado «chave» na Europa.

Com base no plano de recuperação económica apresentado em Novembro do ano passado, Bruxelas aponta várias medidas para facilitar o acesso ao crédito, clarificar as regras para a atribuição de ajudas estatais em circunstâncias específicas, estimular a procura de veículos novos através de acções nacionais coordenadas e proteger os postos de trabalho.

Empresários querem mais apoios

O executivo comunitário sustenta que a primeira responsabilidade na forma como enfrentar a crise cabe à própria indústria automóvel, mas aponta que o plano de recuperação da economia europeia abre portas a vários apoios públicos, designadamente a ajudas estatais, desde que temporárias e bem orientadas.

A Comissão convida os Estados-membros a fazerem pleno uso da flexibilidade que lhes é conferida no actual contexto de crise, designadamente na utilização de fundos comunitários, mas adverte os países para a necessidade de combater a tentação do proteccionismo e de um regresso do nacionalismo.
Redação / LF