Na origem dos problemas elétricos da British Airways terá estado, afinal, um erro humano. O jornal The Times avança, citando fonte da companhia aérea britânica, que um trabalhador externo à empresa desligou sem querer o fornecimento de energia que dava suporte ao sistema de reserva, enquanto fazia trabalhos de manutenção no sistema informático.

Desde sábado passado, quase há uma semana, que problemas elétricos causaram uma avaria nos sistemas informáticos, que teve como consequência anulações e atrasos em série nos voos. 

Foram afetados 75 mil passageiros. Muitos não conseguiram aceder ao site da British Airways, fazer coisas simples como o check-in online ou até mesmo contactar os call centers.

Uma semana depois chega a provável explicação para o aconteceu, numa altura em que a companhia é acusada de ignorar os avisos que tem recebido quanto às formas de contratação, aos cortes nos custos e à perda de pessoal qualificado e experiente. Terão sido destruídos 600 empregos na área tecnológica na empresa desde março do ano passado.

Pelo menos 700 voos foram cancelados em Heathrow e Gatwick, no último fim de semana. A falha informática, que ainda por cima ocorreu num fim de semana prolongado (segunda-feira foi feriado no Reino Unido), pode custar à companhia cerca de 100 milhões de libras (cerca de 115 milhões de euros), segundo alguns estudos.

A companhia anunciou que vai analisar os pedidos de reembolso dos clientes que não puderam viajar e que "uma política de reembolso mais flexível" foi adotada.

O presidente executivo e chairman da British Airways pediu desculpa, através do Twitter, pelas perturbações causadas.