Provavelmente já ligou para números começados por 707 quando recorreu a algum serviço ou para uma linha de apoio ao cliente. A Deco quer acabar com estas chamadas de auxílio pagas, devido ao elevado número de reclamações que recebe por causa do custo elevado destas chamadas.

A associação de defesa do consumidor diz que são poucas as pessoas a fazerem contas às chamadas, mas que é preciso estar atento e dá os exemplos:

  • Cada vez que se liga para linhas de apoio ao cliente, através de números começados por 707 ou 708, está a gastar 10 cêntimos por minuto.
  • Se ligar da rede fixa, 25 cêntimos por minuto
  • Se o fizer por uma rede móvel, são mais 23% de IVA.

Neste sentido, a Deco defende o fim de números começados por 707 e uma gravação para avisar os consumidores dos custos acrescidos destas linhas, defendeu ao Jornal de Notícias a jurista da Deco Ingride Pereira.

Mesmo para quem tem pacotes de telecomunicações que agregam TV, Voz e Net e que supõem chamadas grátis na rede móvel e fixa, essa gratuitidade não engloba estes números começados por 707 ou 708.

Existem serviços públicos e privados que dispõem também de um número da rede fixa, para além dessas chamadas de auxílio pagas, mas nem todas. A Deco defende que essa alternativa deveria sempre existir, porque de outra forma os clientes estão a pagar para pedir ajuda ou estão a pagar para reclamar sobre um serviço que entendem que foi mal faturado ou mal prestado, o que não faz sentido.