Marcelo Rebelo de Sousa coloca a “hipótese” de Portugal conseguir este ano um crescimento a rondar os 3,2 por cento este ano, muito superior às estimativas do Governo, e um défice de 1,4 por cento. Dois dias depois de pedir pés assentes na terra, o Presidente da República eleva assim a fasquia do otimismo.

O Presidente da República referiu-se a estes números numa conversa com deputados croatas, em Zagreb, no primeiro de dois dias de visita de Estado à Croácia. As declarações foram captadas pela RTP.

Mais tarde, aos jornalistas, Marcelo disse que falou apenas numa hipótese e que nunca divulgou estes dados porque ninguém pode revelar uma realidade que não existe.

O chefe de Estado diz que é apenas um dos cenários possíveis Portugal conseguir um défice mais baixo e um crescimento mais alto.

De salientar que o Governo aponta para um crescimento de 1,8%, Marcelo fala agora em 3,2%.

Já ontem, o Presidente da República fez dois aos partidos políticos, mostrando-se contra guerras partidárias: é preciso evitar “perder tempo a discutir quem teve mérito” no crescimento económico do país, por um lado, bem como “evitar negar a realidade” e “o deslumbramento”.