O Santander Totta fechou o primeiro semestre com menos 107 trabalhadores, segundo informações hoje divulgadas pelo banco.

Na apresentação de contas do primeiro semestre, o presidente, Pedro Castro e Almeida, disse que o banco tinha 6.330 funcionários em junho, o que compara com os 6.437 de dezembro de 2018, ou seja, uma diferença de 107 pessoas.

O gestor disse ainda aos jornalistas que o Santander em Portugal não tem as mesmas necessidades de reduzir trabalhadores do grupo em Espanha, onde em junho foi anunciada a dispensa de 3.000 pessoas, uma vez que ali está sobredimensionado depois da integração do Banco Popular.

Afirmou ainda que o banco está a contratar entre 100 e 120 pessoas, jovens das áreas de matemática, informática e engenharia, para trabalharem na área de transformação digital.

Quanto à rede comercial, incluindo centros de empresa, o Santander Totta tinha 543 agências em junho, menos 19 do que no final de 2018.

Pedro Castro e Almeida afirmou que o banco continua a fundir balcões nas maiores cidades.

O Santander Totta tem vindo a reduzir trabalhadores e agências nos últimos anos, sobretudo desde a a integração do ex-Popular Portugal.

O Santander Totta divulgou hoje lucros de 275,9 milhões de euros no primeiro semestre de 2019, um aumento de 4,6% face aos 263,6 milhões de euros registados no mesmo período de 2018.

/ SL