Na recta final do ano, é altura de fazer contas à vida e, no que toca aos preços dos combustíveis, os consumidores viram o ponteiro dos preços subir consideravelmente na média deste ano. Encher o depósito do carro com gasóleo ficou 7 euros mais caro e o de gasolina quase 6 euros.

Se fizermos as contas aos dados disponibilizados pela Direcção Geral de Energia e Geologia (DGEG), vemos que abastecer um carro com 50 litros de gasóleo ficava em 53,90 euros em Janeiro, quando o litro custava 1,078 euros e agora fica em 61 euros, já que cada litro fica em média, em 1,220 euros. Ou seja, a diferença é de 7,10 euros. No início do ano que vem, o gasóleo vai ficar ainda mais caro, com subidas que podem ir até aos 4 cêntimos por litro.



Em relação à gasolina sem chumbo 95, o aumento é menor, mas ainda assim substancial: um litro custava 1,318 euros no início do ano; este mês a média é de 1,435 euros. Ou seja, se em Janeiro abastecíamos o carro por 65,90 euros, agora só com 71,75 euros é que conseguimos encher o depósito com 50 litros. Pagamos mais 5,85 euros.

O aumento nos preços dos combustíveis vai ter efeitos nos bolsos dos automobilistas, mas também de quem anda de transportes públicos. Ninguém fica imune, já que os preços dos bilhetes vão aumentar precisamente para fazer face às despesas com o «ouro negro».

Ainda longe do máximo histórico alcançado em 2008, quando o barril de Brent - que serve referência para Portugal - chegou a valer 147 dólares, o certo é que este ano a escalada nos preços do petróleo voltou a fazer-se sentir. No arranque de 2010, o barril rondava os 80 dólares. Sempre a subir, agora já está quase a tocar os 94 dólares.

Portugal tem, aliás, dos combustíveis mais caros a nível europeu. O último relatório conhecido diz que a gasolina sem chumbo 95 é a nona mais cara da União Europeia - só em comparação com Espanha é 20 cêntimos mais cara - e o gasóleo está em 13º lugar no conjunto dos 27 países.
Redação / Vanessa Cruz