“Recomendamos que na simulação olhem para o valor do cenário mais grave para verem se conseguem suportar no orçamento [familiar] o aumento da prestação, porque agora o valor pode ser baixo e atrativo e rapidamente pode mudar, caso as taxas de juro subam", disse à Lusa.