A Deco testou quatro tipos de combustível diferentes, do low-cost ao segmento premium, e concluiu que, apesar das consideráveis diferenças de preço, em termos de consumo, performance do automóvel e efeitos no motor, são «todos iguais».

A associação de defesa do consumidor já denunciou o caso às autoridades e vai levar um abaixo-assinado ao Ministério da Economia.

«Avaliámos o efeito do uso do gasóleo. Testámos 4 combustíveis: Galp Gforce, Galp Hi-Energy, Jumbo e Intermarché, os líderes de mercado nos seus segmentos. Low-cost, regular ou premium, 12 mil quilómetros depois, é tudo igual ao litro», garante a associação em comunicado. «Os 4 carros que utilizámos exibiram consumos muito idênticos e, no interior do motor, não vislumbrámos diferenças relevantes nos depósitos», refere.

Em matéria de consumo, «medimos uma diferença de 0,13 litros aos 100 km entre o pior e o melhor caso, ou seja, uma diferença de 2%». Um valor que a Deco classifica «sem significado», exemplificando que «a pressão incorreta nos pneus aumenta o consumo em 5%, o que equivale a mais 0,33 l/100 quilómetros».

Então, «se o impacto é igual, porquê pagar mais?», questiona, recomendando ao consumidor que, «na hora de abastecer, use o gasóleo mais barato sem preconceitos».

«A diferença de preço entre o gasóleo Gforce e Hi-Energy, ambos da Galp, resulta de uma ação enganosa e estamos perante uma prática comercial desleal. As promessas de menor consumo, menores emissões poluentes e maior proteção do motor com poupanças futuras não passam de marketing para cobrar mais uma dezena de cêntimos ao litro», assegura.

Para a Deco, e para evitar que o consumidor seja induzido em erro, «é urgente criar um regulador para o setor que defenda os consumidores e fixar coimas realmente eficazes. Basta de alegações enganosas e práticas lesivas».

As primeiras assinaturas do abaixo-assinado começaram hoje a ser recolhidas e nos próximos dias vários colaboradores da associação vão estar em seis cidades do país para esse efeito.

A Deco entregou hoje as conclusões dos testes às gasolineiras visadas, assim como a todos os grupos parlamentares. «Mostrámos a ponta do iceberg».

Jorge Morgado espera agora que o poder político «faça o resto», nomeadamente promover testes aos outros combustíveis e a criação de uma entidade reguladora para o setor.

Se está a preparar-se para ir abastecer o carro, saiba que o preço do gasóleo vai subir na próxima semana. Já o da gasolina fica na mesma.
Redação / PGM