As rendas antigas pagas por famílias da classe média, com rendimentos brutos mensais até 2.400 euros, vão subir, no máximo, até 600 euros.

Este valor decorre do limite imposto pelo novo regime de arrendamento urbano, que faz com que a futura renda não possa pesar mais de 25% no rendimento mensal bruto do agregado familiar, escreve o «Jornal de Negócios» esta segunda-feira.

O cálculo do rendimento para este efeito tem em conta o número de filhos e cada dependente reduz em 242,5 euros o rendimento considerado.

No entanto, para as famílias com rendimentos brutos até 500 euros, a subida fica limitada, com uma taxa de esforço máxima de 10%. Significa isto que, nestes casos, a renda não pode ir além dos 50 euros.