O aumento do preço dos combustíveis devido à subida do IVA está a levar muitos portugueses a atravessar a fronteira para abastecer em Espanha, contudo, alguns automobilistas confessaram já o fazer há vários anos.

Veja o vídeo

Se a corrida ao país vizinho para comprar combustível, artigos de supermercado ou roupa, sobretudo por parte dos que residem perto da fronteira, já se fazia notar antes, agora é ainda mais evidente, com a subida do IVA para 23 por cento desde 1 de Janeiro.

Segundo a Lusa, a diferença no preço do litro de gasolina praticado num posto Galp em Vila Real de Santo António e noutro posto da mesma petrolífera, a poucos quilómetros, em Ayamonte, rondava hoje os 26 cêntimos.

Preços a metade do lado de lá da fronteira

Também o preço das botijas de gás apresentava uma diferença considerável: 22,5 euros na Galp portuguesa contra 13,20 euros na congénere espanhola, ou seja praticamente metade do preço.

Um dos funcionários do posto algarvio disse que, no que respeita ao combustível, a maior diferença é mesmo na gasolina, pois a Galp lançou antes do final do ano uma promoção que reduziu o preço do litro de gasóleo em dez cêntimos.

Mesmo assim, a diferença no movimento de carros num e noutro posto eram hoje de manhã notórias e, no caso do posto espanhol, uma boa parte dos carros ali paravam tinham matrícula portuguesa.

José Viegas Ramos, mora perto de Vila Real de Santo António vai quase todas as semanas a Ayamonte, a primeira cidade espanhola a seguir à fronteira, para atestar o depósito da sua carrinha.

O reformado confessou que vai a Espanha pôr gasolina há cerca de cinco anos, ou seja, «desde que os preços começaram a subir sem parar» e justifica-se dizendo que «vale a pena» já que a diferença é «muito grande».

«A diferença entre atestar o depósito em Portugal ou em Espanha é mais ou menos de dois contos [dez euros]», diz, sublinhando que o Estado português «explora tanto» que é preciso procurar alternativas.

Contudo, não é só o preço do combustível que atrai os portugueses, também a comida e sobretudo os artigos de higiene levam muitos nacionais a fazer compras nos supermercados espanhóis, principalmente nas grandes superfícies.
Redação / CPS