O presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, defendeu esta segunda-feira que é possível, «muito em breve» que haja um «candidato forte da União Europeia» à liderança do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Lembrando que já são conhecidos alguns candidatos europeus, Durão Barroso disse que alguns são suficientemente competentes para substituir Dominique Strauss-Kahn à frente do FMI, cita a Lusa.

Os europeus são os maiores contribuintes, pelo que, na perspectiva do presidente da Comissão Europeia, é «natural» que os Estados membros da União Europeia apresentem uma candidatura à liderança do FMI.

Portugal também já veio aplaudir os nomes que já anunciaram que vão entrar na corrida ao lugar deixado vago por Dominique Strauss-Kahn, que pediu a demissão na sequência do escândalo sexual em que está envolvido.



A ministra das Finanças da França, Christine Lagarde, parece ser a candidata europeia que recolhe mais apoios entre os 27. No entanto, ministro das Finanças da Bélgica, Didier Reynders, também já admitiu estar interessado no cargo.

O próprio Durão Barroso tinha sido apontado como um dos potenciais candidatos, mas Bruxelas logo disse que isso era um «rumor sem fundamento».
Redação / VC