A EDP Renováveis teve lucros de 313 milhões de euros em 2018, um aumento de 14% em relação a 2017, segundo informação enviada hoje à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) portuguesa.

A empresa destaca que no final de 2018 tinha uma carteira global de 11,7 GW (gigawatt) repartidos por 11 países, tendo nos últimos 12 meses o seu portfólio aumentado em 826 MW (megawatt), dos quais 478 MW na América do Norte, 211 MW na Europa e 137 MW no Brasil.

O EBITDA (lucros antes de impostos, juros, depreciações e amortizações) totalizou 1.300 milhões de euros (menos 5% do que em 2017), devido, entre outras razões, ao impacto de descontinuidades nas receitas e a menores recursos eólicos.

A EDP Renováveis aumentou em 14% o número de trabalhadores, de 1.220 em finais de 2017 para 1.388 em finais de 2018.

O total de investimentos líquidos em 2018 foi de 957 milhões de euros, menos 79 milhões do que em 2017.

Em dezembro de 2018, a dívida líquida totalizava 3.060 milhões de euros, mais 254 milhões do que um ano antes.

A empresa informa que o conselho de administração irá propor, em assembleia-geral de acionistas, uma distribuição de dividendos de 61,1 milhões de euros, ou seja, 0,07 euros por ação.

A Energias de Portugal, S.A. (EDP) é a maior acionista da EDP Renováveis, que tem a sua sede em Madrid.