A concorrência renhida entre os bancos pode ter vantagens para os clientes, pelo menos no que toca ao crédito à habitação. Esta é uma boa altura para tentar renegociar a prestação da casa e até mudar de contrato. O economista da Deco/ Proteste, Nuno Rico, esteve na Economia 24 e explicou porquê.

1- Este é um bom momento para renegociar o crédito à habitação?

Sim. Os bancos estão muito competitivos entre si, e isso vê-se nos spreads [é uma percentagem que representa a margem de lucro do banco e é definido contrato a contrato consoante vários fatores, desde o historial de crédito do cliente, à relação entre o cliente e o banco, até à a percentagem do valor do imóvel financiada e à subscrição, por parte do cliente, de outros produtos da instituição, tais como cartões de crédito ou seguros, podendo até incluir a domiciliação do ordenado], que nos últimos anos caíram para 1 a 1,5%. Por isso, quem tem um crédito à habitação com valores acima destes que referi deve renegociar.

2 - Como devo iniciar esse processo?

Antes de ir ao banco deve fazer uma simulação, por exemplo, no site da Deco e encontrar as propostas que são mais baixas para o seu caso e depois contatar esses bancos para pedir uma simulação personalizada. Se obtiver um valor inferior, deve dirigir-se ao seu banco porque, muitas vezes, os bancos não querem perder os clientes e vão de encontro ao que as pessoas lhes propõem.

3 - Nos casos em que o nosso banco não aceita, posso transferir o crédito para outro sem custos?

Existem custos de transferência, mas a competição entre bancos leva-os, por vezes, a pagarem esses custos [custos iniciais, de estudo do processo, e de amortização antecipada, que dependem. São limitados a 0,5% do capital se o crédito for de taxa de juro variável ou a 2% no caso de taxa fixa.

4 - O imóvel volta a ser reavaliado?

Sim, mas atualmente os processos são rápidos.

5 -Se me forem impostos produtos extra, para baixarem o spread, aceito?

Deve sempre, mais que para o spread, olhar para a TAEG [a melhor variável para aferir o custo real do empréstimo, ou seja, quanto irá pagar por estar a pedir financiamento. Tenha apenas o cuidado de comparar propostas com o mesmo prazo e modalidade de reembolso] por ela reflete todos os custos. Pode até dar-se o caso de termos um spread mais baixo, mas depois uma TAEG superior porque os produtos que foram vendidos ao cliente, para ter aquela bonificação, têm um custo que supera o beneficio que lhe foi atribuído.

6 - Para quem quer contrair um crédito à habitação, pelas mesmas razões e com os mesmos cuidados, este momento também é bom. Devo escolher taxa fixa ou variável?

Também é uma questão muito pessoal. Se optar pela taxa fixa tem, neste momento, os valores mais baixos dos últimos anos, mas estará a pagar mais embora se proteja de uma eventual subida.

Deixe as suas dúvidas em economia24@tvi.pt

Alda Martins