Portugal teve no primeiro semestre do ano o segundo maior recuo homólogo dos preços da eletricidade para consumo privado (-4,1%) entre os Estados-membros da União Europeia (UE), mas apresenta a oitava mais cara, segundo o Eurostat.

Entre o primeiro semestre de 2018 e os primeiros seis meses deste ano, as maiores descidas nos preços da eletricidade para consumo doméstico registaram-se na Dinamarca (-4,3%), Portugal (-4,1%), Polónia (-3,1%) e Grécia (-1,3%), enquanto as maiores subidas foram observadas na Holanda (20,3%), Chipre (16,4%), Lituânia (14,4%) e República Checa (12,0%).

Portugal ficou, entre janeiro e junho, no oitavo lugar da tabela dos preços da eletricidade para uso doméstico (21,5 euros por 100 quilowatt/hora, incluindo taxas e impostos), com a Alemanha no topo da tabela (30,9 euros por 100 kWh), seguida da Dinamarca (29,8 euros) e da Bélgica (28,4 euros).

A Bulgária (9,9 euros por 100kWh), a Hungria (11,2 euros) e a Lituânia (12,5 euros) apresentaram os preços mais baixos da eletricidade.

Na média da UE, o preço da eletricidade para consumo doméstico aumentou de 20 para 21 euros por 100 quilowatts a hora.

Gás doméstico em Portugal é o quinto mais caro

Os portugueses pagaram o quinto preço mais alto da União Europeia (7,6 euros por 100 kwh) pelo gás para consumo doméstico, com a média da União Europeia (UE) a fixar-se nos 6,3 euros, no primeiro semestre do ano, segundo o Eurostat.

Nos primeiros seis meses do ano, a Suécia apresentou o preço mais alto para o gás de consumo doméstico (11,8 euros por 100 quilowatts/hora), seguindo-se a Holanda (9,2 euros) e a Dinamarca (8,6 euros), a Croácia (3,8 euros), e com a Hungria e Roménia (3,5 euros por 100 kWh cada) a apresentarem os menores preços.

Entre o primeiro semestre de 2018 e o de 2019, os maiores recuos nos preços do gás doméstico foram observados na Dinamarca (-1,7%), Hungria (-1,6%) e Áustria (-1,3%) e os principais aumentos na Bulgária (18,3%), Letónia (15,8%) e Estónia (14,2%).

Em Portugal, o gás para consumo doméstico subiu de 7,5 para 7,6 euros por 100 kWh.

Portugal é terceiro país da UE com mais impostos na fatura elétrica

Portugal foi no primeiro semestre o terceiro país da UE com a componente mais alta de taxas e impostos na fatura da eletricidade, que representou praticamente metade (49%) do total pago pelos consumidores domésticos, informou a ERSE.

Segundo um resumo informativo feito pela Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) com base nos dados publicados pelo Eurostat sobre os preços da energia até junho, “a componente de taxas e impostos, que de acordo com o Regulamento Europeu integra os CIEG [custos de interesse económico geral], apresenta para Portugal um peso de 49% do preço total pago pelos consumidores”, sendo apenas superado na Dinamarca e Alemanha.

De acordo com o regulador, os CIEG (que integram a componente de taxas e impostos) representam para Portugal cerca de 30% do preço total pago pelos consumidores, não sendo possível fazer uma comparação com os restantes países da União Europeia (UE) porque o Eurostat não publica os dados desta componente de forma desagregada.

/ CE/BC - notícia atualizada às 15:12