A Renault prepara-se para despedir 7.500 funcionários efetivos, em França, até ao final de 2016, ou seja, 14% dos seus empregados. O objetivo é aumentar a competitividade, anunciou a empresa aos sindicatos.

A porta-voz oficial da marca francesa, Sophie Chantegay, disse numa entrevista telefónica à Bloomberg, que «a Renault vai cortar 5.700 postos de trabalho durante o período de maior dificuldade».

Segundo a France Presse, 5.700 funcionários vão dispensados através da não renovação de contratos. Outros 1.800 deverão sair por via de rescisões amigáveis.

Também o CEO (presidente executivo) da marca, Carlos Ghosn, já veio dizer que o mercado europeu de automóveis deverá registar uma contração de 3% este ano.

Mesmo assim, não está previsto qualquer encerramento de fábricas da Renault.