Portugal está nos braços do FMI e enfrenta uma crise profunda, mas nem por isso os empresários deixam de tentar a sua sorte. Na verdade, desde o ano passado que são criadas mais empresas do que aquelas que fecham portas.

Os dados do Ministério da Justiça foram enviados à TSF e mostram que em 2010 desapareceram quase 27.500 companhias, mas nasceram 28.670.

E, nos primeiros meses de 2011, o intervalo é ainda mais acentuado: 14.600 novas empresas, contra 8 mil que acabaram.

Ou seja, inverteu-se a tendência dos anos anteriores, quando fechavam portas mais companhias do que aquelas que abriam. Vejamos, por exemplo, o período entre 2008 e 2009: nessa altura, foram criadas 62 mil empresas, mas foram dissolvidas mais de 95 mil.

Por sectores, o comércio (por grosso e a retalho), a restauração e o imobiliário são aqueles que contabilizam maiores alterações.
Redação / VC