O consumo de combustíveis em Portugal aumentou 17% em agosto, face ao mesmo mês de 2020, e 4% face a julho, mantendo a trajetória ascendente iniciada em fevereiro, divulgou esta terça-feira a Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE).

O consumo de combustíveis derivados do petróleo, considerando a gasolina, o gasóleo, o ‘jet’ [combustível para aviões] e o GPL [gás de petróleo liquefeito], aumentou (4,0%), mantendo a trajetória ascendente iniciada em fevereiro”, indicou hoje a ERSE, no boletim do Mercado dos Combustíveis e GPL referente a agosto de 2021.

O consumo em agosto foi 17% superior (561 quilotoneladas (kton)) ao período homólogo de 2020, com aumentos no consumo de ‘jet’ (64,2%), de gasolina (11,5%), de gasóleo (11,4%) e de GPL (9,1%).

Já face a julho, os consumos globais de combustíveis aumentaram 25,15 kton, com aumentos de 15,04 kton no ‘jet’, de 8,59 kton na gasolina e 2,14 kton no gasóleo, o equivalente a variações de 17,6%, 9,1% e 0,5%, respetivamente.

Em contraciclo, o consumo de GPL diminuiu 0,61 kton em agosto, representando uma variação de 1,9% em relação ao mês anterior.

Segundo o regulador da energia, “as medidas de desconfinamento têm sido a principal razão pelo aumento do consumo de derivados do petróleo”, bem como o efeito sazonal habitual das férias de verão.

A ERSE destacou ainda o preço de venda ao público (PVP) médio do gasóleo, que acompanhou a cotação do mercado internacional, registando uma diminuição de 0,7% face ao mês anterior, para 1,498 euros por litro.

No sentido oposto, o PVP médio da gasolina registou uma atualização de 0,2% no mesmo período, para 1,717 euros por litro.

Os hipermercados mantêm as ofertas mais competitivas nos combustíveis rodoviários, seguidos pelos operadores do segmento ‘low cost’, apontou o regulador.

Braga, Castelo Branco e Santarém registaram, em agosto, os preços de gasóleo e gasolina mais baixos, enquanto Bragança, Beja, Lisboa e Faro apresentaram os preços mais altos.

Agência Lusa / CE