O indicador de confiança dos consumidores aumentou em agosto, após ter diminuído no mês anterior e o indicador de clima económico continuou a recuperar à semelhança dos três meses anteriores, das fortes reduções de abril, sinaliza esta quinta-feira o INE.

De acordo com a informação divulgada esta quinta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), em Portugal, não considerando médias móveis de três meses, a atividade económica tem vindo a registar reduções expressivas, mas progressivamente menos intensas entre junho e agosto.

O indicador de confiança dos consumidores aumentou em agosto, após ter diminuído no mês anterior, tendo o indicador de clima económico continuado a recuperar em agosto, à semelhança dos três meses anteriores, das fortes reduções verificadas em abril”, refere.

O indicador de confiança passou de -28,3 pontos em julho para -26,0 pontos em agosto e o clima económico passou de -2,9% pontos para os -1,3 pontos entre os mesmos meses.

Os indicadores de confiança aumentaram em todos os setores de atividade, de forma mais expressiva nos serviços e no comércio, recuperando também na construção e obras públicas e na indústria transformadora.

O INE recorda que o montante global de levantamentos nacionais, de pagamentos de serviços e de compras em terminais de pagamento automático na rede multibanco diminuiu 8,1% em agosto, em termos homólogos, após ter diminuído 9,7% em julho e as vendas de veículos automóveis registaram taxas de variação homóloga de -0,1% nos automóveis ligeiros de passageiros, -40,5% nos comerciais ligeiros e -7,2% nos veículos pesados (-17,6%, -19,4% e 67,3% em julho, respetivamente).

De acordo com as estimativas mensais do Inquérito ao Emprego, a taxa de desemprego (15 a 74 anos), ajustada de sazonalidade, situou-se em 8,1% em julho, mais 0,8 pontos percentuais (p.p.) que o valor definitivo registado em junho (6,3% em abril e 6,5% em julho de 2019), recorda também.

A taxa de subutilização do trabalho situou-se em 15,7%, mais 0,2 p.p. que no mês anterior (12,9% no período homólogo de 2019). A estimativa da população empregada (15 a 74 anos), também ajustada de sazonalidade, diminuiu 3,5% em termos homólogos, mas cresceu 0,1% face ao mês anterior (variação homóloga de -3,4% em junho).

A variação homóloga do Índice de Preços no Consumidor (IPC) foi nula em agosto (variação de 0,1% em julho), observando-se uma taxa de variação de -0,1% na componente de bens (-0,2% no mês anterior) e de 0,1% na componente de serviços (0,6% em julho).

/ RL