José Sócrates disse esta quinta-feira em Bruxelas, à entrada para o Conselho Europeu, que considera os eurobonds, ou obrigações europeias, «uma boa ideia», mas disse haver tempo para discutir essa medida.

BCE aumenta capital em 5 mil milhões de euros

À chegada à cimeira de chefes de Estado e de Governo da União Europeia, Sócrates disse que «o mais importante agora» é os líderes europeus concentrarem-se «naquilo que está em cima da mesa», ou seja, a criação de um mecanismo permanente de gestão de crises, que assegure a estabilidade da zona euro, e então depois analisar a ideia dos eurobonds.

«Os eurobonds são uma boa ideia. Eu há muito tempo que defendo os eurobonds. É uma ideia que está a fazer o seu caminho, está a fazer o processo de discussão, isso seria uma medida da maior importância para a defesa do euro, mas tenho a certeza, também, que essa medida terá o seu tempo para ser discutida», disse citado pela Lusa.

A posição de Sócrates está em linha com a do presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, que esta semana, em Estrasburgo, defendeu que os líderes europeus deveriam concentrar-se nesta cimeira em apostar em «instrumentos que geram consenso», ou seja, o mecanismo permanente, já que, embora também ache «interessante e atractiva» a ideia dos eurobonds, esta está ainda longe de reunir um consenso entre os 27.

O presidente do executivo comunitário disse não ver, neste momento, «a mínima possibilidade» de a proposta de emissão de títulos da dívida europeia avançada pelo presidente do Eurogrupo, Jen-Claude Juncker, reunir o consenso.
Redação / CPS