As vendas a retalho recuaram, em julho, 1,3% na zona euro e 0,8% na União Europeia (UE) face a junho, invertendo dois meses de crescimento, com Portugal a registar a maior subida mensal (3,9%), segundo o Eurostat.

De acordo com o gabinete estatístico europeu, o volume de vendas do comércio a retalho recuou em julho 1,3% na zona euro e 0,8% na UE, na variação em cadeia, depois de ter subido, respetivamente 20,6% e 18,4% em maio e 5,3% e 5,1% em junho, em resultado do alívio das medidas de confinamento adotadas devido à pandemia da covid-19.

Já na comparação com julho de 2019, as vendas a retalho cresceram 0,4% na zona euro e 0,7% na UE.

Face a junho, Portugal, em contraciclo com a zona euro e a UE, foi o país que, a par da Roménia, registou a maior subida mensal das vendas a retalho (3,9%), seguido por Malta (3,2%), enquanto os maiores recuos se observaram na Bélgica (-5,1%), Finlândia (-2,0%) e Estónia (-1,5%).

Na variação homóloga, a Irlanda (9,1%), a Lituânia (6,8%) e a Holanda (6,0%) apresentaram as maiores subidas e a Bulgária (-17,5%), Malta (-8,1%) e Luxemburgo (-6,1%) as principais quebras.

Em Portugal, as vendas a retalho de julho caíram 3,6% face ao mesmo mês de 2019.

/ Publicada por ALM