O Conselho de Ministros aprovou, esta quinta-feira, a autorização para o lançamento de um concurso de aquisição de 117 automotoras elétricas, num investimento de 819 milhões de euros.

"Será a maior compra de comboios por parte da CP na sua história", afirmou o ministro das Infraestruturas e Habitação, Pedro Nuno Santos.

 

O Governo espera que o primeiro comboio chegue em 2026 e que a totalidade das composições esteja em circulação em 2029.

Segundo Pedro Nuno Santos, 62 automotoras serão para o serviço urbano, com destaque para as 34 que irão para a Linha de Cascais, para “substituir as atuais 29, que têm mais de 50 anos”. 16 composições vão para as restantes linhas da Área Metropolitana de Lisboa e 12 irão para o Porto.

As restantes 55 automotoras elétricas irão para o serviço regional.

O ministro adiantou que o objetivo deste concurso é “substituir material obsoleto, dar resposta à procura presente que hoje já coloca uma grande pressão da procura”, recordando ainda que se soma a este procedimento mais 22 comboios, cujo concurso tinha sido lançado há algum tempo, adjudicadas à empresa suíça Stadler.

O Governo aprovou ainda a criação de um centro de competênciasy, onde se fará investigação e formação na área da ferrovias, em Guifões, Matosinhos, perto das oficinas da CP - Comboios de Portugal.

Catarina Pereira