O Goldman Sachs considera que o resgate de Portugal e da Irlanda através do mega fundo europeu acabaria com a actual tensão nos mercados financeiros e evitaria o contágio.

Segundo o responsável pelos juros do Goldman Sachs, em Londres, Francesco Garzarelli, «a probabilidade da Irlanda e Portugal entrarem no programa do FMI - designado Fundo Europeu para a Estabilidade Financeira - tem aumentado».

Francesco Garzarelli acrescentou, citado pela Bloomberg, que ao contrário do que aconteceu depois do resgate à Grécia «acreditamos que tal cenário - intervenção do FMI - não conduzirá ao contágio. Pelo contrário, poderá resolver as tensões» nos mercados.

Estas declarações foram feitas no dia em que os juros das obrigações portuguesas a 10 anos voltaram a tocar um novo máximo histórico acima dos 7,3%, depois de Portugal ter realizado esta manhã a sua última emissão de Obrigações do Tesouro do ano, com a colocação de 1.242 milhões de euros nas maturidades a 6 e a 10 anos.

Já os juros das Obrigações do Tesouro a 10 anos irlandesas subiram esta quarta-feira até aos 8,84%, um novo máximo.
Redação / CPS