O presidente do Governo dos Açores, Vasco Cordeiro, anunciou esta quarta-feira na cidade da Horta uma alteração do escalão inicial da remuneração complementar, que irá garantir aos funcionários públicos regionais com ordenado mais baixo um aumento de 62 euros mensais.

O Governo [Regional] vai avançar para a alteração do escalão inicial da remuneração complementar, de forma a alargar o primeiro escalão da remuneração complementar, que beneficiam de 100% da remuneração complementar, para abranger os rendimentos até 635 euros por mês".

O chefe do executivo açoriano deu a notícia numa cerimónia no hospital da Horta, na ilha do Faial.

Com esta decisão, os funcionários públicos com menos rendimento, precisou, irão beneficiar de um "aumento significativo da sua remuneração", beneficiando na totalidade do aumento de 12% da remuneração complementar.

O efeito prático desta decisão do Governo dos Açores é que o vencimento dos trabalhadores da administração regional açoriana que auferem a remuneração mínima aumenta 62 euros mensais (+10%) neste ano de 2019".

A remuneração mínima na administração pública dos Açores será este ano de cerca de 700 euros, "o que representa um aumento de 868 euros/ano na remuneração por trabalhador, face ao ano anterior", prosseguiu ainda Vasco Cordeiro, aqui citado pela Lusa.

Em debate parlamentar tido no final de novembro de 2019, o executivo regional havia já anunciado o aumento da remuneração complementar dos funcionários públicos em 12%, sendo alargado agora o primeiro escalão dessa remuneração, abarcando vencimentos até 635 euros mensais.

A remuneração complementar é paga aos funcionários públicos para atenuar os custos da insularidade.