dados divulgados na segunda-feira pela Direção-Geral da Administração e do Emprego Público (DGAEP)

“É sempre positiva, na medida em que o grau de destruição no que diz respeito ao emprego público foi de tal ordem e o mau funcionamento de alguns serviços é de tal maneira que justifica olhar de forma diferente para os serviços públicos, quer nas escolas, nas autarquias, quer na saúde”, sublinhou o dirigente sindical.










“É natural que algum dia essa tendência de reduzir por reduzir teria de ser travada. Esperamos que com esta tendência de inversão se possam vir a prestar melhores serviços às populações”, declarou.


“A maioria vai ganhar 450 euros ao fim de cada mês”, concluiu.

Redação