"O Bloco de Esquerda enganou-se nas contas. A meu ver, a única forma que entendemos para chegar aos vossos cálculos, é considerar isto”. Foi assim que o ministro das Finanças respondeu a Mariana Mortágua relativamente ao financiamento da área da saúde.

João Leão referiu que o investimento no SNS sobe e que “o Bloco de Esquerda faz referência ao Orçamento Suplementar e esquece-se que o esforço não veio só das transferências do Orçamento do Estado, mas mesmo essas aumentam”.

De acordo com o ministro, o reforço de 500 milhões de euros na Saúde aprovado no âmbito do Orçamento Suplementar de 2020 não veio exclusivamente de transferências do Orçamento do Estado - 200 milhões vieram de transferências orçamentais, 300 milhões não - algo que o BE, segundo João Leão, não teve em conta.

Se tiverem isso em consideração, que não tiveram nas vossas contas, (os números) mostram que mesmo relativo ao Orçamento Suplementar, as transferências do Orçamento do Estado aumentam em 2021 face a 2020", disse o governante.

Antes desta intervenção do ministro, Mariana Mortágua tinha dito que "o reforço da despesa com pessoal em toda a saúde é inferior ao do ano passado em 100 milhões de euros".

Estes números são indesmentíveis porque foram introduzidos pelo Governo no relatório do Orçamento do Estado", exclamou a deputada.

Em relação aos médicos, o ministro fez questão de erguer um gráfico que mostra o aumento do número de profissionais.

Em relação à questão dos médicos - volto-lhe a mostrar o gráfico, também mostrou - que mostra a todos os portugueses a evolução dos médicos ao longo dos anos, é um aumento de 18% no número de médicos. Senhora deputada Mariana Mortágua, eu reconheço-a como uma boa economista e confesso, não é sério para um economista fazer uma análise e comparar variações intra-anuais. Qualquer economista sabe que tem de se comparar em termos homólogos", atirou o ministro.

Mariana Mortágua defendeu que o gráfico apresentado pelo ministro "vai até julho" e que entretanto já há novos números disponíveis.

Nós não negamos uma evolução positiva de médicos ao longo do tempo. O que nós dizemos é que há menos médicos hoje do que no início da pandemia e há menos médicos hoje do que havia em janeiro, quando nos sentámos para identificar necessidades de médicos e profissionais do SNS, e por isso concordámos com mais 8.400 médicos e profissionais", esclareceu Mariana Mortágua.

 

A saída de médicos continua ao longo do ano e dá-se o caso de em setembro de 2020 haver menos médicos no SNS do que havia em janeiro de 2019. Segundo o 'site' do SNS, são 29.566 em setembro de 2020 e 29.598 em janeiro de 2019", sustentou a deputada.

Veja também:

Lara Ferin